Em nova entrevista sobre a pandemia e o futuro humano, o filósofo Peter Sloterdijk indica que estamos exercitando um novo vocabulário para um novo comportamento, mais compatível com uma consciência sincronizada em favor da natureza.

Se na entrevista anterior dada ao El País, em 15 de junho, o filósofo alertou que competição pela imunidade deveria ser substituída por uma nova consciência de comunidade, pela necessidade de promover a coimunidade, resultado da observação de que a sobrevivência é indiferente às nacionalidades e às civilizações,  agora, nesta entrevista à Deutsche Welle, em 26 de junho, Sloterdijk diz que o século 21 ensinará à comunidade global uma nova gramática, um novo léxico decorrente da inocência perdida da modernidade quanto à imagem histórica de que era a natureza que nos protegia. Agora, é a criança quem deve cuidar da mãe e o desconforto atual é que não estamos preparados para isso. Leia a entrevista aqui.